segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

ExperimentaDesign 2007 com falta de apoios é cancelada

«É difícil acreditar que no momento em o design teve pela primeira vez lugar de destaque no “World Economic Forum” de Davos em 2006, sob o tema “Inovação, Criatividade e Design Estratégico” e em que se assiste a um crescente número de cidades que tentam criar eventos dedicados ao design como prova do seu dinamismo e competitividade e do reconhecimento da importância desta disciplina para o desenvolvimento sustentado da sociedade, o actual executivo camarário da capital portuguesa, sem qualquer diálogo e faltando ao compromisso anteriormente assumido, acabe deste modo com a ExperimentaDesign – Bienal de Lisboa.
As consequências do cancelamento de um projecto no qual foram já investidos ao longo de 4 edições, desde 1998 a 2006, mais de 8 milhões de euros, que posicionou a capital portuguesa e Portugal no circuito internacional dos grandes eventos culturais com um projecto pensado, concebido e produzido por portugueses, serão devastadoras.

Não será só o embaraço perante a comunidade internacional mas acima de tudo a perda de um evento que promovia de forma definitiva a criatividade e capacidade portuguesas, formava e informava o público português e atraía a Lisboa e a Portugal milhares de visitantes.»

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

domingo, 21 de janeiro de 2007

Cibercultura e a arte esquizofrénica

«Freud is dead and the myth of unified inidividual has been destroyed. We are each made up of many selves: de-centred, distributed, and tele-schizophrenic. Our minds have an infinity of phreno-fractals constantly creating alternative realities in wich every thread of meaning is woven by us.» (THE A-Z OF INTERACTIVE ARTS, Roy Ascott)
Cibercultura é a cultura que emerge da rede computacional, quer os seus fins sejam comunicativos, de entretenimento ou económicos. Trata-se da união entre a cultura e a técnica, da telemática enquanto produtora de cultura. A cibercultura começou com os movimentos cyberpunk onde se desenvolveu uma estética específica. E no final dos anos 90 chega às universidades como objecto de estudo quer cultural, quer tecnológico.

A arte tecnológica começou nos anos 60. A primeira etapa antes das artes interactivas foi produzir ambientes, obras cibernéticas, uma arte que respondia ao utilizador e estava em permanente mutação. Construíam assim processos de feedback pré-determinados, no entanto, não evoluíam nos automatismos e na evolução que a própria máquina pode fazer.

As artes tecnológicas promoviam uma nova linguagem: a linguagem digital que potenciou a existência da arte interactiva:

Conectividade
A conectividade é uma representação chave das ciências cognitivas. Na arte digital também. O natural colabora com o artificial, e o artificial com o natural, surgindo uma nova simbiose.

Imersão
Novos interfaces serão e estão a ser criados até existir um perfeito: o interface que anula a existência de interface, ou seja, quando se deixa de ter consciência do interface. Assim como ouvimos, vemos ou sentimos na comunicação inter-pessoal, o mesmo irá acontecer nos outros tipos de comunicação. As paredes além de ouvirem também falarão.

Interactividade
A realidade e aquilo que a mesma significa resulta das interacções que actuam no nosso cérebro. Em complemento a essas interacções, os nossos corpos transportarão tecnologia que nos permitirá navegar na rede.

Transformação
Os nossos corpos estão a transformar-se. Novas experiências concretizam-se quer de imersão dos corpos na rede, quer de imersão da rede nos nossos corpos. A arte interactiva coloca-nos dentro da mesma, do seu sistema. Por conseguinte, deixa de haver espaços clássicos (2D ou 3D) pois a interacção dá-se a outro nível biológico.

Emergência
As manifestações dão-se de forma inesperada. A arte interactiva dá-se de forma não previsível e a experiência volta a ocupar um lugar de destaque na arte que se apresenta no Ciberespaço - o novo espaço de exposição. Emerge também uma nova percepção: a ciberpercepção; dá-nos uma consciência de que vivemos juntos num espaço que fica entre o virtual e o real, quase uma mundivisão.


A arte trabalhava o aspecto das coisas, o aspecto do mundo e o aspecto da pessoa. Mesmo com uma máquina fotográfica, o objecto da arte trabalhava sucessivamente o aspecto. As artes interactivas trabalham o que está para além da imagem, o que constituí a imagem e as conexões por detrás da mesma. Trabalha os sistemas, e as conexões do mesmo, a nova estética dos sistemas. A cibercultura fez emergir uma nova arte que se baseia no híbrido, no interactivo, na montagem, no hipermedia, e no interface, no futuro do homem (política).

O Self sempre foi fechado, determinava o homem e constituía a determinação do indivíduo, o seu instinto estava aprisionado pelo corpo. Bolter escreve que o a cibercultura, enquanto mistura da técnica e da cultura, pode libertar o Self do corpo e assim potenciar novas descobertas para o individuo. Questões políticas colocam-se e colocaram-se no início da Cibercultura com o Cyberpunk e explicam-se através desta libertação do Self. A questão da relação entre corpo e Self pode ser ultrapassada pela cibercultura. A escrita sempre foi uma forma de se ultrapassar a barreira corpo e a forma de entendermos o Self, com a Cibercultura a potência aumenta.

«Self - isolated, unconnected, alienated - is no longer a satisfactory modem of our being.» Homo Telematicus In The Garden of A-Life - Roy Ascott

O indivíduo, e a arte como reflexo do mesmo, potencia um movimento esquizofrénico de transformação do self, daquilo que nos determina para além do corpo. O corpo fica obsoleto perante esta transformação, e pretende-se como finalidade ligar o self à rede, e partir daí para novas formas de conhecimento e de existência. Roy Ascott defende que os artistas e os cientistas se devem unir pela criação de um mundo virtual onde a vida seja definida pelo homem e não pela natureza. Um mundo que seria esquizofrénico, onde a libertação de todos os Selfs em rede possivelmente geraria o caos num mundo que é ordenado.

Indie Lisboa 2007

Indie 2007 vem aí...

sábado, 20 de janeiro de 2007

ARTE DIGITAL: Wallright

Diana Antunes, Flávia Neves, João Filipe, Luís Confraria e Nuno Caldeira, estudantes do curso Novas Tecnologias da Comunicação na Universidade de Aveiro lançam um projecto de Arte Digital no dia 31 de Janeiro.

O projecto de arte digital chama-se Wallright.

Diana Antunes descreve o Wallright: «[Wallright é] uma plataforma web na qual utilizadores de todo o mundo podem pintar. Esta tela virtual é projectada numa parede real, o que permite ao fim ao cabo a qualquer pessoa em qualquer parte do mundo desenhar nessa parede. As cores disponíveis no site dependem da temperatura medida por um sensor no local da parede física.»

Video sobre Wallright
Fotos do processo Wallright

Body Rice de Hugo Vieira da Silva no KING

Hugo Vieira da Silva estreia-se no cinema de longas metragens com o filme Body Rice. Este filme encontra-se em exibição no King e é sobre os jovens deliquentes alemães que vêm viver para o Alentejo num processo de reeducação social.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007

O'queStrada hoje no Maxime

Os O'queStrada depois de terem estado presentes no 2º Lesboa, estarão hoje à noite no Maxime pelas 23H a lançar o seu primeiro EP.

concertos:
DIA 20 ZBD
23H 7,5€

DIA 24 BELEZA
23H 7,5€

Encontra-se à venda na FNAC por 6,50€.

EXPOSIÇÃO «Transrretratos» do Festival Visible de Madrid interessada em novos participantes

A associação cultural Visible, organizadora do Festival Visible, Festival Internacional de Cultura GLT de Madrid convoca todos a participar na exposição «Transrretratos» com auto-retratos a serem enviados até ao dia 7 de Março.
As regras são:
1. Auto-retratos de pessoas transsexuais masculinas ou femininas, quer espanholas, como de outras nacionalidades, sejam artistas ou não.

2. Obra em técnica e tamanho livre (é conveniente que não ultrapassem um metro de nenhum dos lados), que serão doadas ao festival, para que a exposição possa ser itinerante durante o tempo que seja necessário. Admitem-se obras digitais, impressas, ou enviadas por e-mail/CD. A associação encarregar-se-á de imprimir as mesmas para a exposição. Entra as técnicas possíveis estão a fotografia, a pintura, a colagem, a escultura, a obra digital, o vídeo, etc.

3. A acompanhar a obra incluir um texto com cerca de mil palavras a contar uma experiência autobiográfica, o que cada participante gostaria que o público que visitasse a exposição saiba sobre o autor da obra. Um texto com algo que seja importante ser dito. Pode ser incluída uma foto da pessoa, se for esse o desejo do autor, mas não é obrigatório. Tão pouco é obrigatório dar o nome verdadeiro se for esse o desejo do autor.

4. O prazo de entrega é até dia 8 de Março de 2007 (inclusive).

5. A organização da exposição tratará de fazer um catálogo com as obras apresentadas, mais os textos que as acompanham. Este livro também recolherá opiniões de distintos especialistas e reconhecidos activistas.

6. A organização dará a conhecer mais adiante o nome da sala onde se apresentarão as obras e os eventos que se desenrolarão na mesma sala, que em qualquer dos casos coincidirá com a realização do Festival VISIBLE.

Para qualquer dúvida (e para a recepção das obras) os interessados podem-se dirigir a:

Asociación Cultural Visible
Santa Brígida, 7. Madrid 28004.
Tel.: 659 794 508
papeces@arsystel.com

«Romeu e Julieta» do grupo de teatro Contra-Senso

O grupo de teatro Contra-Senso está com o espectáculo «Romeu e Julieta» no Espaço Municipal da Flamenga em Belavista (junto ao metro), Lisboa. Trata-se de uma peça para um público-alvo familiar. A peça «Romeu e Julieta» é uma reinvenção ao estilo deste grupo de teatro. Embora peque na piada fácil para a comédia se realizar, mistura a cultura popular com a cultura mainstream o que, em determinadas cenas, transforma o trabalho deste colectivo em algo que apesar de amador, pode ser interessante.

A ver por pais e filhos.
Para marcações 965 672 888 / 962 451 119 contra.senso@hotmail.com

terça-feira, 16 de janeiro de 2007

OPA entrevista PhaZer: uma nova banda portuguesa

Cláudia Matos Silva entrevistou uma nova banda portuguesa PhaZer no programa OPA. Neste entrevista podemos ouvir como as bandas de rock e punk surgem neste momento em Portugal. PhaZer são uma banda de rock dos arredores de Lisboa com 4 elementos. Lançaram um disco auto-financiado em Junho de 2006.

A rádio OPA de Cláudia Matos Silva é um projecto que começou online e que agora já é transmitido em algumas rádios locais (ex: SingaFM) espalhadas pelo pais. Trata-se de um programa de rádio semanal com a duração de 1 hora. Cláudia Matos Silva compromente-se a apresentar o melhor da nova música nacial e inaugura agora a vertente de entrevistas.

domingo, 14 de janeiro de 2007

LISBOA: Artista francesa Françoise Schein em exposição

A autora Françoise Schein do projecto de azulejaria da estação do metropolitano do Parque, uma das estações mais belas do Metropolitano de Lisboa, tem duas exposições a decorrer neste momento em Lisboa: uma na Galeria Ratton, no Príncipe Real, e outra no Instituto Franco-Português.

Em declarações, Françoise Schein afirma que o trabalho da Estação de Metro Parque foi o seu primeiro trabalho do género, e neste momento encontrava-se "fascinada" por ele.

sábado, 13 de janeiro de 2007

A exposição «Amadeo de Souza-Cardoso. Diálogo de Vanguardas» esta noite não fecha

Depois de se saber que a Gulbenkian Lisboa terá sido pequena para a exposição «Amadeo de Souza-Cardoso. Diálogo de Vanguardas», a Gulbenkian acabou por decidir que esta noite as portas manter-se-ão abertas.



A exposição, segundo a Gulbenkian, atingiu no dia 11 de Janeiro 75000 visitantes.

290 obras de artistas internacionais + 190 pinturas de Amadeo de Souza-Cardoso fazem parte desta exposição que encerra no Domingo às 22H. A partir de agora até lá, as portas estarão abertas "non-stop".

Neutralidade na Internet II

Clip highlighting recent Net Neutrality victories from Bill Moyers' speech to the National Conference for Media Reform in Memphis, Jan 12, 2007.
Nos Estados Unidos, para além do Iraque, discute-se algo que talvez tenha mais importância para o mundo ocidental e para a liberdade: a questão da neutralidade da Internet.

O QUE É A NET NEUTRALITY?
"Net Neutrality ensures that all users can access the content or run the applications and devices of their choice. With Net Neutrality, the network's only job is to move data — not choose which data to privilege with higher quality service. Net Neutrality prevents the companies that control the wires from discriminating against content based on its source or ownership."

quarta-feira, 10 de janeiro de 2007

Festival Internacional Gay-lésbico de Artes Audiovisuais de Andalucía com inscrições abertas até 1 de Março

As categorias para o Festival são
- Longas-metragens (35 mm. ou DVD).
- Curtas (35 mm. ou DVD).
- Documentários (35 mm. ou DVD).
- Videoart (35 mm. ou DVD).
- Fotografias (Papel Fotográfico ou formato digital).

Arte Ilimitada promove conferências dedicadas à reflexão sobre arte

Existe um ciclo de conferências dedicadas à reflexão sobre arte que decorre na Arte Ilimitada. Estas conferências contam com a coordenação de Leonor Nazaré, assessora do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian.

A entrada é livre.

terça-feira, 9 de janeiro de 2007

«SWIM AGAIN | NADA DE NOVO» de RIGO 23 Na ZBD

Até 27 de Janeiro de Quarta à Sábado das 19h às 23h na ZBD

«Visão retrospectiva de 20 anos de produção artística que inclui pintura, desenho, instalação, arte pública e documentação variada que proporcionará uma aproximação ao trabalho de Rigo, Ricardo Gouveia, artista madeirense residente em São Francisco. O seu percurso é caracterizado por uma sensibilidade especial para o contexto onde se insere, na sua maioria informado pelo activismo político-cultural que lhe é reconhecido. Rigo, incansável na denúncia dos direitos civis, criou uma obra substancial, relacionada com as comunidades e os contextos culturais por onde viajou

Fecho do Monumental marcado: de 15 de Janeiro a 27 de Março

Sem qualquer aviso a administração do Monumental (Grupo Amorim) vai fechar o mesmo para obras já a partir do dia 15 de Janeiro. Esta situação foi transmitida apenas aos lojistas através de uma circular. Paulo Branco não concorda e já avançou para tribunal.

Além de ser o centro comercial aberto até mais tarde na zona do Saldanha, é também um dos que capta mais pessoas através das suas quatro salas de cinema (900 lugares).

O Grupo Amorim com as obras pretende que o Monumental perca as suas características únicas e passe a fazer parte do grupo Dolce Vita. O novo nome do Monumental será Dolve Vita Monumental.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2007

Rogério Nuno Costa

«I decided to transform my life into a work of art. I don't have private life. Everything is public.»Elke Krystufek
A procura do discurso da arte através do corpo e das suas produções. Um blog de Rogério Nuno Costa.

Rogério Nuno Costa participou no Alkantara o ano passado com a performance «Lado C»


+ sobre Rogério Nuno Costa

3º Lesboa em Fevereiro dedicado ao Carnaval


Depois do 1º Lesboa com 1500 pessoas, do 2º Lesboa com cerca de 1200, no 3º Lesboa espera-se uma enchente num espaço que prima pela qualidade: Pavilhão das Exposições, Instituto Superior de Agronomia.

É já no dia 17 de Fevereiro (sábado). O preço desta vez foi reduzido para 8 euros para quem compra o bilhete antecipadamente. 10 euros para quem compra no dia do Lesboa.

O Lesboa trata-se do evento de melhor qualidade LGBT que se realiza em Lisboa. Desta vez existe um dress code que são as típicas máscaras de carnaval, não sendo obrigatório.

domingo, 7 de janeiro de 2007

Galerias de Arte em Lisboa

Depois de uma consulta entre as várias feeds de jornais e televisões portuguesas com o tema "cultura" decidi apenas deixar o da RTP. A razão é a seguinte: a maior fonte de notícias é a Lusa, e a RTP publica todas as notícias daí provenientes, o Público e a SIC seleccionam, o Público coloca as menos comerciais, a SIC opta por apenas colocar as mais populistas e comerciais. Por conseguinte, só faz sentido deixar a RTP.

A seguir foi adicionado um grupo para as galerias de Arte em Lisboa. Um grupo que deverá crescer com o tempo assim que sugestões cheguem ao loucoslisboa@netcabo.pt

2006: Melhores cenas a nú do cinema

Ficou em 6º lugar a cena a nú de Sarah Polley no filme A Vida Secreta das Palavras onde mostra as marcas de tortura e de violação sofridas na guerra.

A lista de melhores cenas a nu do cinema do ano 2006 escolhidas pelo fakes.net está aqui.

De 2005 aqui.

Início de apoios à arte digital em 2007, diz IA

Rui Trindade* afirmou à Lusa que:
*Comissário da exposição anual "Cyber", Centro Cultural de Belém, entre 1997 e 1999.
«Reina o completo autismo [perante a arte digital] e assiste-se a um divórcio por parte dos políticos face aos artistas nacionais, não havendo apoio nem sequ er capacidade de diálogo»

«[A arte digital é]
um território em evolução m uito rápida e constante»

«[São] criações muito interessantes que - por não terem eco ao nível institucional - se desenvolvem sobretudo em circuitos alternativos»

«estimular a criação de uma comunidade que coloque em diálogo os talentos que vão surgindo nesta área»
O responsável pelo projecto Atmosferas afirmou que:
«a arte digital continua a ser uma parente pobre»
A resposta do IA foi que:
«está prevista a abertura de um concurso para apoios a projectos po ntuais (com duração de um ano) ainda durante 2007, embora não haja ainda indicação de datas ou financiamentos»
Fonte: RTP

quinta-feira, 4 de janeiro de 2007

VANITAS, Tríptico de Paula Rego é apresentado no CAMPJAP, Gulbenkian

No dia 11 de Janeiro às 22H (quinta-feira) é apresentado o o mais recente tríptico de Paula Rego, VANITAS, acompanhado pelo livro Vanitas, 51 Avenue d´lena de Almeida Faria.
«Ei-la então: uma Vanitas que cumpre a sua função de nos lembrar que a todos, inebriados, festivos, lúdicos, teatrais, violentos, patéticos seres humanos, nos espera um encontro irremediável com a morte. A matriz onírica do encontro que se dá no texto de Almeida Faria ou na representação de Paula Rego é talvez apenas uma forma de eufemismo na encenação da crueldade desta evidência.»

TEATRO PRAGA Ciclo Shall We Dance 3

«Voltamos a dançar. Desta vez só um par na pista de dança. Ainda assim quisemos continuar este ciclo que nasceu em 2004.
Mais uma vez um de nós avança a faz o convite: Dançamos? É assim que tudo começa. Depois é acertar o passo, criar cumplicidades e experimentar novos ritmos.
Acreditamos que é fundamental este abrir da estrutura a outros criadores. Esse confronto de ideias sempre nos interessou. Pensamos no Shall we dance como um tubo de ensaio para nos baralhar e apontar novas possibilidades.
Por isso dançamos» TP

No Armazém do Hospital Miguel Bombarda
De 12 de Janeiro a 3 de Fevereiro.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2007

"O CCB está a transformar-se num equipamento monotemático" Paulo Cunha e Silva

«Paulo Cunha e Silva, ex-director do Instituto das Artes, lamentou recentemente num artigo publicado na revista 6.ª, que o CCB esteja a transformar-se "a uma velocidade vertiginosa num equipamento monotemático", "cada vez mais uma casa de espectáculos". Uma opinião secundada por muitas outras personalidades do meio cultural, que preferem não o dizer publicamente.»

Do artigo de Paula Lobo: "De que se fala quando se fala no futuro do CCB?"

terça-feira, 2 de janeiro de 2007

INTRA RAIL Venha a Lisboa ou saía de Lisboa

CP criou em Novembro a viagem vá para fora cá dentro. O Intra Rail pode ser adquirido por jovens dos 12 aos 30 anos. Tem um custo de 55€ por pessoa e engloba 2 noites/3 dias de alojamento em Pousadas da Juventude e Viagens de Comboio através da CP.